Salto de Gato

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

 

INTRODUÇÃO

O salto de gato pode ser definido como a passagem por um obstáculo prolongando e apoiando-se nos braços a fim de passar com as pernas por entre os mesmos.

Ao inicio o salto de gato (SDG) era simplesmente uma passagem em barreiras, mas a performances melhoraram e tornou-se um movimento por si só.

Exemplo


 

TÉCNICA

Existem duas maneiras de se efectuar este movimento.

Cada uma adapta-se a necessidades particulares. Cada qual tem os seus pontos fortes e pontos fracos. Ambas as maneiras diferem no ponto de partida. Uma é a pés juntos e outra em passada.

SALTO DE GATO EM PASSADA

O salto de gato em passada é muito útil quando desejamos ultrapassar grandes distâncias. Consiste em colocar-se no movimento directamente, sem se afectar a corrida, o que permite manter a velocidade. Este movimento é muito mais fluido em passada do que a pés juntos.

Este salto é utilizado sobretudo em obstáculos que se encontram a meia altura. Aqui é muito importante balançar os braços para trás e de haver um movimento de agachamento imediatamente antes de se abordar o obstáculo, mantendo os ombros quase à mesma altura do obstáculo. Isto permite pousar as mãos sem grande pancada e ao mesmo tempo não perder velocidade.


 

SALTO DE GATO A PÉS JUNTOS

Como o nome indica esta técnica consiste em efectuar a chamada a pés juntos a fim de nos impulsionarmos do chão. Permite ganhar bastante altura e é portanto mais indicada para obstáculos mais altos. Não nos é possível alcançar uma grande distância com esta técnica porque a maior parte da energia da corrida é transformada em impulsão no momento de percussão com os pés ao chão.

Na prática estas duas técnicas não passam de opções instintivas condicionadas pela altura do obstáculo. Na verdade quanto mais alto for o obstáculo mais o corpo vai procurar ter impulsão para o transpor e mais vamos procurar saltar a pés juntos. A técnica que tem prioridade é a da passada porque a outra deriva naturalmente desta. O contrário não é verdade porque é mais difícil aprender a técnica da passada depois de termos ganho o hábito de saltar a pés juntos.

Ao início, dificilmente iremos ter uma grande distância neste salto porque ainda não se domina o movimento. Assim que a técnica estiver no ponto, para aumentar a distância que podemos atingir, bastará aumentar a velocidade da corrida. As pessoas que conseguem maiores distancias são sempre aquelas que dominam o movimento em grande velocidade. O objectivo será mesmo de dominar o movimento em alta velocidade sem nunca perder velocidade. Todos os outros movimentos de parkour seguem a mesma premissa. Fazer, Fazer bem, Fazer depressa e bem.


 

CONSELHOS

Como todos os movimentos, é importante treinar-se sob qualquer condição externa, por exemplo abordar o obstáculo na diagonal, chamada em piso escorregadio, elaborado com outros movimentos, com outro obstáculo a impedir ganhar toda a altura (o telhado ou um cano que impede e restringe alguma parte do movimento), Todas as alturas, etc…

Atenção ao piso escorregadio, convém ter bom senso para evitar batidas com o joelho no muro e quedas de todo o tipo.